Antonio Félix da Costa | Formula E

Junte-se à Fórmula E

Entre ou crie sua conta Fórmula E

É rápido, fácil e grátis para se inscrever

Você terá acesso a:

  • Helmet

    Notícias. Análise. Recursos exclusivos

  • Schedule

    Reserva Prioritária. Preços antecipados

  • Trophy

    Competições. Descontos. Experiências

  • Podium

    Prever. Voto. Ganhar

PT
Pascal
Wehrlein
Colega de equipa
Portugal
António Félix
Da Costa
TAG Heuer Porsche Formula E Team
  • Data de nascimento
    31/08/1991 (32)
  • Local de nascimento
    Lisbon
  • Corrida de estreia
    2014 Putrajaya E-Prix

SEASON 2023-2024 Estatísticas

  • Classificação
    18th
  • Vitórias
  • Pódios
13

Antonio Felix da Costa é um dos pilotos de Fórmula E mais experientes do grid, tendo participado sempre da categoria, desde a temporada 1.

Da Costa cresceu em uma família de pilotos e começou no kart aos nove anos, disputando várias categorias domésticas em seu país natal, Portugal. Em 2007, ele foi para os monopostos, na Fórmula Renault 2.0 e, depois de chamar atenção tanto na Formula 3 Euro Series quanto na GP3, ele acabaria participando da Red Bull Junior Team. Depois de fazer sua estreia na Fórmula 1 testando pela Force India em 2010, o português colocou suas habilidades de teste à prova pela Red Bull Racing, quando pilotou quatro das máquinas campeãs do lendário projetista Adrian Newey.

Indo para a Fórmula E já na primeira temporada, da Costa começou sua jornada nos carros totalmente elétricos na segunda etapa, em Putrajaya, como piloto da Team Aguri, equipe pela qual correu duas temporadas – garantindo uma primeira vitória já em suas primeiras três corridas em Buenos Aires.

O piloto lisboeta foi para a equipe norte-americana Andretti por duas temporadas, aproveitando a parceria técnica da equipe com a BMW em 2017/18. Na temporada 5 e na nova era Gen2, a relação da Andretti com a marca alemã se tornou um trabalho totalmente de fábrica, com a equipe recém-batizada BMW i Andretti Motorsport. O degrau mais alto do pódio se mostrava distante desde o primeiro gole do champanhe dos vencedores Moet & Chandon em 2014/15, até sua vitória na etapa de abertura da temporada 2018/19 na Arábia Saudita.  

Ele foi em busca do título pela BMW à medida que a temporada avançava, mas acabou ficando pelo caminho, e Da Costa mudou de ares na temporada 6 ao ser contratado pela DS TECHEETAH, tendo o bicampeão Jean-Eric Vergne como companheiro de equipe. Ambos os pilotos estavam na disputa pelo título, mas foi Da Costa quem conseguiu ir mais longe, conquistando um recorde de três vitórias entre a etapa 5 em Marrakesh e a etapa 7 em Berlim – o suficiente para levá-lo até o título de pilotos de maneira incontestável.

Com a disputa mais acirrada do que nunca na temporada 7, da Costa era o homem a ser batido. Um único pódio em Diriyah foi o único troféu que o português conseguiu ganhar na primeira metade de uma temporada disputada.

Três corridas sem pontuar – inclusive uma desqualificação por ficar sem energia tendo apresentado um desempenho extraordinário em Valência – não era aquilo que o português esperava, e uma vitória com autoridade, depois de uma ultrapassagem na última volta em Mônaco, foi o ponto alto da temporada.

Continuando na famosa equipe preta e dourada da DS TECHEETAH em 2021/22, da Costa teve um início de temporada ruim, mas que melhorou em Marrakesh, com uma pole e um pódio, voltando ao degrau mais alto duas corridas depois, em Nova York. Em um belo final de história da era Gen2, da Costa conseguiu a primeira e a última pole position em um período disputado da Fórmula E.

Mudando para a equipe de fábrica da Porsche na estreia do potente Gen3 na temporada 9, da Costa vai em busca de mais um título ao volante do 99X Electric.